quarta-feira, 24 de janeiro de 2007

Quarta

AINDA O CAFÉ
Não é todo dia que eu vou ao palácio residencial do governador tomar café da manhã. Por isso, vou falar hoje um pouco mais sobre a coisa.

Numa mesa do pátio interno da Casa D’Agronômica (que tinha até chafariz, agora disfarçado de mesa de centro), estava o LHS, noutra o vice Pavan. Os convidados que não couberam nessas duas mesas, ficaram nas demais mesas. Aos poucos foram se aproximando das duas autoridades pra ouvir melhor o que tanto elas falavam. No final (foto abaixo), o LHS sentou-se à mesa do Pavan para repassar os principais assuntos. E um buffet de comidinhas alegrava a festa.

O vice Pavan também conversou bastante com os jornalistas. Disse que já teve problemas suficientes com seus vices, para saber que deve ser um vice que não crie caso, não atrapalhe. Pavan não parecia muito preocupado com os problemas domésticos (na prefeitura de Balneário) e queria mais era falar sobre os investimentos indianos na exploração do xisto betuminoso do norte catarinense. Se as pesquisas, que já começaram, confirmarem a extensão da jazida e a viabilidade da exploração, será coisa de alguns bilhões de reais e alguns milhares de empregos.

LONGE DO LULA
A estratégia do LHS, de não ir ao lançamento do PAC (Pacote de Aceleração do Crescimento), é daquelas que pode dar muito certo ou muito errado. Como só ele e o governador de Roraima deixaram de atender ao convite do Lula, ficou evidente que existe um abismo a ser transposto. E o tempo dirá quem sairá ganhando com o confronto.

Há quem argumente que, se LHS tivesse ido, suas críticas teriam tido uma ressonância maior na imprensa nacional. Ausente, perderia autoridade para comentar o pacote e deixaria a impressão que se trata de alguma birra.

LHS enumera uma série de episódios, onde o descaso e a desatenção do governo federal por Santa Catarina e seus pleitos fica evidente. Não há muitas dúvidas sobre isso. A questão é saber se a estratégia de ficar de mal e só voltar a conversar depois de atendidas certas condições, dará certo.

BATE-PAPO
O café da manhã com os colunistas não previa nenhum anúncio, nenhum pronunciamento específico. Ficou uma conversa, uma espécie de entrevista coletiva informal, sobre os assuntos que interessavam a cada um dos presentes.

Políticos experientes, tanto Pavan quanto LHS conversaram à vontade sobre todos os assuntos. Se a pergunta encerrava alguma pegadinha, davam uma desviada, mas a rigor só não falaram sobre o que não foi perguntado.

Sempre é bom que os governantes se exponham aos jornalistas. Claro que, no encontro desta segunda, a gente ficou achando que só estava ali para servir de álibi para que LHS não fosse a Brasília. Mas isso pode ser evitado se os encontros se tornarem uma prática regular.

CONSELHÃO DO LHS
Luiz Henrique disse que vai transformar o Conselho de Governo, que é uma coisa inativa, num Conselho Consultivo Superior, que terá a participação de uns cinco figurões de fora e outro tanto de figurões locais.

No time de futebol-society das celebridades nacionais estão Lucas Mendes, Nelson Piquet, Eliezer Batista, Antônio Brito e Jorge Gerdau Johannpeter. E o time estadual ainda não está completo, mas deve ter pelo menos Beto Carrero, Jorge Bornhausen e Baltazar Buschle. Não é o máximo?

A grande vantagem desse Conselhão é que as reuniões poderão ser gravadas em vídeo para serem vendidas como reality show pras grandes redes e ainda faturar um troquinho pra ajudar a pagar as passagens e os cachês de tanto artista.

REPROVADO
Duduco, deputado em fim de mandato e carnavalesco, teve as contas da campanha eleitorai rejeitadas pelo TRE-SC. Além de não se reeleger, ainda tem que se incomodar, às vésperas do carnaval, com a falta disto e daquilo. Diz o Tribunal que o Duduco teve divergências entre a movimentação financeira e os registros de receitas e despesas.

Por falar em contas rejeitadas, teve um candidato a deputado federal que não foi eleito, o Aurio José Soares (PTC), que nem se deu ao trabalho de abrir a conta bancária que a lei exige de todos os candidatos.

A LUTA CONTINUA
Por mais que o governador LHS e o prefeito Dário apareçam nas fotos (como esta mais embaixo, na inauguração de um asfaltamento na Ilha) e em público querendo dizer que o clima entre os dois tá normal, basta dar uma olhada no site de notícias da prefeitura da capital para ver que os desentendimentos continuam.

A prefeitura acusa a Secretaria de Estado da Saúde de recusar internação de moradores de rua doentes que foram encaminhados para os hospitais estaduais pelos órgãos de saúde do município.

E o prefeito aparece falando que
“assim não dá. Estamos fazendo todo o esforço para retirar os moradores de rua da cidade e encaminhar os casos mais sérios para os hospitais, mas não estamos tendo o respaldo da Secretária Estadual da Saúde. Assim fica difícil”.
CHINAGLIALHICES
O candidato do PT e do PMDB à presidência da Câmara dos Deputados tem, entre os jornalistas que cobrem o Congresso, uma fama de sujeito grosseiro, maleducado e despreparado para lidar com a imprensa.

De vez em quando aparece uma história de jornalista desrespeitado pelo ilustre candidato. A mais recente está contada no site Congresso em Foco (“Show de maus modos de Chinaglia”). Seus pares nem ligam. O que conta mesmo é a defesa que ele faz do aumento para os deputados.

3 comentários:

Adorador Verdadeiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

César, na primeira foto, estais fazendo uma oração em agradecimento aos alimentos prestes a serem devorados, ou tá pedindo pra terminar logo a conversa hein? ;-)

abraço!!!

Wladimir

Cesar disse...

Que nada, tava só tentando entender a minha letra. Quando anoto muito rápido, às vezes fico sem saber o que escrevi... então tenho que conferir enquanto ainda lembro, pra "traduzir" os hieroglifos mais complicados. Essa atividade, além disso, também ajuda a passar o tempo.
Àquela altura já estava de barriga cheia. Mas comi com moderação e até resisti à tentação e não enchi os bolsos de pãezinhos de queijo para comer na viagem.