quinta-feira, 18 de maio de 2006

QUINTA

No quadradinho branco da foto está escrito o seguinte:
Não tem nada mais importante para o desenvolvimento de uma cidade, de um estado e de um País, que o planejamento de médio e longo prazo. Mas o governo parece que preferiu ter um plano do PMDB (ou vão dizer que o 15 é só coincidência?) a ter um plano da sociedade catarinense. Não é de estranhar que o Glauco Côrte (da Fiesc), aqui ao lado, pareça sem jeito.
(se clicar na foto abre-se uma ampliação)

SOLUÇÃO
O leitor Celso Eduardo Flores Lino descobriu a solução para o nosso principal problema:
“Queres reduzir a criminalidade?
Simples: não compra drogas, não compra produto pirata, não compra contrabando.
E o mais importante: denuncia aquele que pratica estes crimes.”
É, nem tudo que é simples é fácil de ser colocado em prática. Mas quem sabe um dia...

CENSURA NO AMAPÁ
O jornal Folha do Amapá, de Macapá, teve sua edição on line tirada do ar ontem por ordem judicial. A justificativa é que o jornal batia muito no governador Waldez Góes (PDT). O texto que consta da decisão do juiz e que é considerado “muito forte e difamatório”, talvez nem saísse no DIARINHO, de tão fraco e sem veneno pros nossos padrões de liberdade de imprensa.

Coitado do povo do Amapá. Além de ter que agüentar, como seu senador, o Sarney, que é do Maranhão (que fica a milhares de quilômetros) e continua vivendo no Maranhão, ainda tem que ficar quieto. Não pode nem baixar um cacete básico no governador.
Assim não dá pra ser feliz.

SEGREDO FAJUTO
Esta história é fantástica: no último dia 10 fizeram uma sessão secreta, secretíssima, da CPI do Tráfico de Armas, para ouvir, entre outros, o diretor do Departamento de Investigações do Crime Organizado de São Paulo.

No dia seguinte, a gravação de tudo o que foi dito na sessão secreta estava em todos os presídios de São Paulo e nos celulares de todos os bandidos. Como aconteceu isso?

Elementar: dois advogados do PCC chegaram para o funcionário terceirizado que opera o sistema de som na sala da CPI e ofereceram uns trocados pela gravação. O moço copiou o arquivo num pen-drive (uma espécie de cartão de memória) e depois encontrou com os advogados num shopping, onde passaram o conteúdo do cartão para dois cds. Recebeu R$ 200,00 na hora e a promessa de mais grana depois. Fácil, rápido e indolor. E ainda dizem que este é um país sério.

O DESABAFO DO XIMENES
O presidente da Celesc, o tubaronense Miguel Ximenes, foi inaugurar ontem, em Orleans, uma subestação de energia elétrica que custou cerca de R$ 8 milhões. A cidade inteira estava lá, todos alegres e felizes com a obra, inclusive o prefeito, do PT.

Aí o Ximenes lembrou, no discurso, da subestação de R$ 40 milhões que “interesses eleitoreiros que não levam em conta a importância da energia” estão querendo impedir que seja construída em Florianópolis. Pois é, presidente, cada caso é um caso e cada cidade vive sua própria história.

A COPA ESTÁ GARANTIDA
Não consigo parar de me espantar. Cada nova informação parece mais absurda que a outra: 60 televisores que estão sendo instalados nas penitenciárias paulistas foram “comprados” (sem nota fiscal, certo?) pelo PCC para que todos possam ver a Copa.

Pois não é que a Administração Penitenciária autorizou a instalação dos aparelhos nas áreas comuns, mesmo sabendo quem os estava “doando”? Diante disso, não são de espantar os privilégios inacreditáveis do chefão Marcola, que é quem decide o que o PCC faz e deixa de fazer.

Se você, cara leitora, caro leitor, não entende nada dessa conversa de “tríplice aliança”, de coligação entre PSDB, PFL, PP e outras letras do alfabeto, fique tranqüila(o): eu e mais 3 milhões de catarinenses (a turma da imprensa incluída), também não estamos entendendo. Pela risada nervosa do Joares, pela pose do Amin e pelo ar de professor do Ceron, dá pra ver que mesmo eles não têm muita certeza. Mas a política é assim mesmo: nada é o que parece ser. E, na reta final dos acordos, tudo é possível e nada é improvável. A única certeza é que nós, o povo, como sempre, seremos os últimos a saber.

Um comentário:

Marco Aurélio disse...

Cesar

Esta onda de terrorismo do PCC é um problema grave, tão absurdo quanto a fome no país. Não podemos esquecer que grande parte de nossas crianças estão abaixo da linha de pobreza e aliás, esse é um dos motivos dessa exploração sexual infantil. Viu os dados Da PNAD de 2004?

Um abraço

Marco Aurélio