sexta-feira, 6 de abril de 2007

Feriadão de Páscoa

O CHARME DO PORTO
Willemstad, a cidade que aparece nas fotos acima, fica na entrada do porto de Curaçao. Tal e qual em Itajaí (e Navegantes), os navios mercantes passam por ali a caminho dos atracadouros.

No caso de Curaçao, tem uma refinaria de petróleo e um grande porto mercante num golfo natural cuja única entrada é esta que dá para ver na foto acima. E os navios de cruzeiro, pelo menos um por dia, ficam no pier turístico do canal (também na foto acima) ou no pier externo, para navios gigantescos.

Nos dois casos os turistas podem ir a pé até o simpático centrinho de Willemstad, fazer compras, visitar museus, tomar a boa cerveja local e esticar as pernas.

LEITE DE PEDRA
Os holandeses que colonizaram a pequena ilha do Caribe foram aqueles que tinham sido expulsos do nordeste brasileiro pelos portugueses e pelos usineiros caloteiros (mas isto é história do Brasil, que vocês podem ler em outros lugares). Pois bem, a ilha é pura pedra, não tem fontes de água potável, quase não tem como cultivar nada. E eles desenvolveram o lugar esquecendo os defeitos e usando as qualidades.

Como tinha um excelente porto natural, dedicaram-se ao comércio internacional, suprindo as deficiências portuárias da Venezuela (por isso a refinaria). A água é obtida da maior usina de dessalinização do mundo, que também produz a eletricidade da ilha.

Água pura, que permite à subsidiária da Amstel (cervejeira holandesa) produzir na ilha uma cerveja de primeira. A laranja nascia azeda, intragável, por causa do solo pobre. Eles inventaram um licor, feito da casca da laranja, que ficou famoso no mundo todo (e tem muita gente que conhece o licor curaçao, aquele azulzinho, mas nem sabe que a ilha existe).

A travessia de pedestres e bicicletas, no centro,é feita por uma ponte flutuante, de madeira, que gira e encosta na margem, para permitir a passagem dos navios. A ponte está lá há mais de um século.

TRABALHO E LAZER
Quando vim morar em Itajaí comecei a achar que já conhecia um lugar parecido, onde o mar tem uma presença tão importante e onde é utilizado tanto para movimentar a economia quanto para o turismo e o lazer. Quando caiu a ficha, comecei a reler as reportagens que escrevi sobre Curaçao no Caderno de Turismo da Gazeta Mercantil, a rever as fotos e a remexer nas lembranças.

Claro, eles têm o mar do Caribe, com sua água inacreditavelmente azul. Têm escolas que ensinam holandês, inglês e espanhol desde o primário, preparando os moradores para os negócios e o turismo. Mas essas coisas não são desvantagens permanentes. As areias finas das nossas praias são insuperáveis. E quando tivermos saneamento básico e mais educação, não ficaremos a dever nada. E aí Itajaí e Willemstad poderiam ser consideradas irmãs.

Um comentário:

Cris disse...

vou abrir o espaço mas só para dar um dica. Um primo meu tem um café aí na cidade: Expresso Colonial. Já vi propaganda dele no Diarinho.
Passa lá para conhecer e pindura um cafezinho na minha conta :P
Diga ao Carlos Alberto que mando beijos