terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Cansaço...

Tá difícil engatar a segunda e ganhar alguma velocidade nesta volta ao trabalho. Pra todo lado que a gente olhe é tanta mesmice, tanta mediocridade, tanta falta de respeito pelas coisa mais simples, que o desânimo sobe em ondas, como uma enchente de água suja, irrefreável, inescapável, engolindo a mobília que durante tantos anos fomos acumulando na alma, encharcando de lodo fétido toda aquela roupinha cuidadosamente dobrada que estava nas gavetas do camiseiro sentimental, que é o coração.

Olho para minhas mãos e vejo ali, como numa miragem de filme B, as cicatrizes dos tantos murros em ponta de faca. Do que adianta tanto desgaste? A que leva tanto berro ecoando no vazio? Pra que tentar falar com surdos que não entendem nossos gestos e viram a cara, cegos diante das letrinhas que insistimos todos os dias em colocar diante de suas bocas mudas?

Pra que desperdiçar as últimas reservas de fosfato com ironias, sátiras, tiradas de humor (do bom, do mau e do horrível), se cada vez menos há cultura e ilustração nas cabeças coroadas? Eles simplesmente não entendem a língua que falamos. Não alcançam a mordacidade da crítica, não compreendem o que queremos dizer. E não fazem questão de saber, porque lhes falta, como à cucaracha da música folclórica, las dos patitas de atrás. Ou marijuana a que fumar. Vocês escolhem.

Hoje mesmo estive aqui, sentado à frente deste teclado, com a luminosidade da tela gritando na minha retina, várias vezes. Começava a falar nisso, ia um pouco adiante, desistia. Pérolas aos porcos. Depois tentava comentar aquilo, escrevia um parágrafo, deixava as mãos caírem como folhas mortas e parava. Não adianta, os que entendem não precisam que lhes diga, os que precisam, não entendem. E, finalmente, preocupado porque lá adiante, em alguma ponta desta sinistra rede abstrata e real poderia ter alguma leitora, algum leitor, esperando coisas novas, recomeçava.

Mas não tem jeito. O céu azul esplendoroso, o sol brilhante e o vento gentil, que deveriam encher-me de ânimo, alegria e força, têm efeito contrário. E desisto. Desligo a máquina sem conseguir escrever nada do que gostaria.

Talvez amanhã.

15 comentários:

Anônimo disse...

pois é tio cesar tb m sinto assim,eu q ja troxe tanta coisa coisa p/ os post ando desanimada,nau adianta gritar,espernear,é como vc falou...dando murro em pontaa de faca.Até anotei aqui (digitei no word 2 ou 3 "cocitas" p/ trazer p/ cá,mas nem m animei pois vejo q nau adianta,nd muda,mesmo q a gente berre e esperneie...


abraços

Carlos

Mr. ed disse...

Os que entendem precisam que voce diga e o agradecem por isso. Não estamos esperando coisas novas sempre. Gostamos apenas de ler o voce escreve. Obrigado!

Schneider disse...

É exatamente nessas horas em que detectamos a mediocridade ao nosso redor que o desânimo tem efeito contrário. Nessa hora de raiva acabamos refletindo. A reflexão nos acorda e exige uma reação. E reagimos com a inspiração. Somos inspirados pelo desejo de despejar o que nos incomoda. O incômodo é vomitado e nos sentimos aliviados.
A preguiça fez com que criasse um texto maravilhoso. Certamente a raiva diminuiu e se sentiu aliviado. Ou, em outras palavras, do limão você fez uma limonada. E das boas.

Anônimo disse...

Tenho acompanhado o blog por um longo periodo, confesso que tenho um excelente conceito deste jornalista, bem como acompanho os blogs indicados. Sua cronica de hoje, transmite claramente meu sentimento e pior, confirma o que venho deduzindo. A anestesia foi aplicada na dose certa no povo catarinense. Em todos os setores podemos encontrar o mesmo comportamento. Aguardo anciosamente que suas cronicas começem a fazer efeito. Um grande abraço de seu leito assiduo.

Anônimo disse...

Ave, César, só pra não desanimares:
Embora seja eu um desses porcos que não merecem a pérola que acabaste de escrever, entendo teu desabafo. De fato, às vezes desanima.
Compara só: o teu assunto sobre a política e sua influência sobre a vida de todos nós, em geral, (não propriamente falavas do Lula... mas alguns se prenderam ao exemplo) mereceu apenas três comentários, apesar de toda sua pertinência e importância.
Já um simples detalhe da mesma política - a ridícula estátua da Havan- , porque eivado dos temperos que tão bem sabem ao gosto da maioria, mereceu até agora 15 comentários. Faz parte!
Deves saber melhor do que eu: notícia boa não dá audiência. A maioria gosta mesmo de sangue... de “dizem que ele disse”... de cacau... (da Bahia).
Paciência! É a profissão que escolheste. Agora, aguenta! ( caiu o trema, mas tive de “adicionar” , do contrário o risco vermelho da correção não desapareceria) abr. waltamir

Anônimo disse...

Hoje, assistindo ao Jornal da Band, transmitido em rede nacional, vi uma reportagem sobre o aluguel de salas de aula de uma escola municipal, na praia dos Ingleses, para turistas do oeste do Estado. Segundo a reportagem, estava sendo cobrada diária de R$ 40,00. Afora a flagrante improbidade administrativa, sinceramente, não sei mais o que esperar do turismo em nossa Capital. Todos querem usufruir das belezas naturais e da pouquíssima infra-estrutura de que dispomos, pagando muito pouco por isso.

JP

Anônimo disse...

Poetizando a realidade?
Há Nônimus.

Anônimo disse...

"...lá adiante, em alguma ponta desta sinistra rede abstrata e real poderia ter alguma leitora, algum leitor, esperando coisas novas"...Nem sempre ele espera coisas novas, César. Na maioria das vezes teu leitor vem aqui beber um pouco de água fresca, de modo a se reanimar e FAZER ALGUMA COISA BEM AO SEU ALCANCE para modificar (ou pelo menos dar uma chacoalhada...rss) nessa triste realidade política na qual vivemos. Se conseguir, é "um pouco de você" que terá conseguido também, não acha? Bola pra frente, que de parado já chega o governo LHS!

LesPaul disse...

Não sei se serve de consolo, mas no escritório foi a mesma coisa. Apenas os `prazos` sendo tocados com animação peculiar. No mais, a letargia tá f... e nem tá quente, a luz está linda como no outono (quase), o vento sul deixou o ar fresco, o azul limpo pela chuvarada... apenas os problemas são os mesmos, da estrutura (sic) medíocre do aeroporto e dali em diante TUDO MAIS à exceção da obra pintada por Deus e esculhambada pelos homens que a nossa Ilha. A ILHA MORREU!

Anônimo disse...

tio cesar é q mexer so nessa "m" dexa qq um desanimado,até pd levar a uma depre,hiskriskrisk....entaum t do uma sugestão p/ aliviar,traca uns contos,umas crÔnicas + nau d política,hehehe,coisas p/ amenisar a vida.


abraços,tua leitora

jânio disse...

Formemos a "Sociedade dos Misantropos Ainda Vivos". Quero ser o tesoureiro. Como diz o Aluízio: FOGO NOS BOTOCUDOS!

Carlos disse...

César,
Cada um tem a sua parte na história. Como tu, havia aquele beija-flor que fazia a parte dele levando água no bico para ajudar a apagar o incêndio na floresta.
Fundamentado no dito popular de que "não há mal que perdure" e na famosa frase do Lincoln sobre a impossibilidade de "enganar a todos por todo o tempo", esse nosso exército de Brancaleone, sob teu comando, e ao rítmo da música "Vai passar", do Chico Buarque, um dia ainda há de ter do que comemorar !
Vê que até o Moacir Pereira, sempre muito solícito ao Luiz Henrique e do Dário, já está dando umas porradinhas !
Portanto aguarde, desfrute da picina e das manifestações dos teus leitores, pois quem viver verá !

Anônimo disse...

Concordo plenamente com o Carlos. Temos que aquecer nossas almas ao som de velhas canções ("vai passar", "apesar de você" etc.). Provavelmente seus leitores estão, na sua maioria, na faixa etária de uma geração que viveu a utopia de que a redemocratização do país, por si só, elevaria nossos níveis de civilidade. A prostração é fruto da constatação de que isso não se concretizou. Infelizmente a maioria das pessoas de bem, seja por comodismo ou por entender que agora teríamos "instituições fortes e sérias", se afastaram da política e dos assuntos da comunidade; desse modo, os lobos estão à solta e perpetrando barbaridades. Urge ressuscitar o sentimento de indignação. Acredito que este será um efeito benéfico da crise que estamos vivendo e, à medida em que ela se acentuar, a panela começará a ferver!

Anônimo disse...

E o ex-presidente da Codesc, que comprou uma casinha de R$ 1 milhão? Esse não deve estar nem um pouco triste e desanimado

Rafael disse...

Até parece que nunca passou o verão aqui, tio César... Dá preguiça mesmo, eu to aqui lendo você nesse momento porque to com preguiça de trabalhar. Mas como você mesmo sabe, já tenho que voltar logo, dever é dever. Mas sobre desistir, por favor, não seja dramático. Abra a janela, deixa o nordestão refrescar essa cachola. Até porque hoje em dia uma das poucas fontes de inspiração e motivação que tenho para continuar exercendo essa nossa profissão, sem ficar com nojo, é vendo caras como você trabalhando. Incansável, competente e, principalmente, inconformado com este mundo absurdo. Diferente da grande massa de jornalistas de merda que vejo por aí. Parabéns, esse é o blog mais lido, pelo menos por mim. Abraço